São Josemaria, uma imagem humana

São Josemaria sobre um fundo abstrato em colagem. Assim é o retrato a óleo do fundador do Opus Dei pintado pela artista Inmaculada Cuesta a pedido de pessoas que têm devoção ao santo no Congo.

Testemunhos

Nesse retrato de São Josemaria, tudo é sugestivo. Inmaculada Cuesta, sua autora, o pintou motivada por um pedido vindo do Congo.

Pode descrever-nos o processo interior que a levou a pintar este retrato do fundador do Opus Dei?

Minha admiração e carinho por São Josemaria me moveram a trabalhar artisticamente, já que é a minha maneira de expressão e agradecimento. Usei materiais atuais porque ele era jovial e audaz. Creio que assim se aproxima mais da ótica e linguagem contemporâneas.

Que traço você quis destacar?

Seu olhar e seus gestos, cheios de humanidade.

Inmaculada Cuesta

No que você se inspirou mais: em fotos, em recordações, em sua mensagem?

Penso que é uma síntese das três coisas, que para mim são inseparáveis. Enquanto pintava, não pensava em nada disso. A foto da qual me utilizei, serviu para eu adentrar a sua personalidade; pedi ajuda a D. Álvaro del Portillo.

Sob o ponto de vista artístico, quais são as características desta obra?

Trata-se de um fundo abstrato realizado em colagem e sobre ele o retrato a óleo.

Se o pedido não tivesse vindo do Congo, mas de um país da Europa, o retrato teria sido diferente?

Fiz o retrato que desejava e tive a sorte de encontrar quem o soubesse ver. A arte, se é arte, é universal, não tem fronteiras. Por isso, a considero um meio muito válido para a transmissão do espírito do Opus Dei e da figura do seu fundador.

Como você definiria sua obra artística?

Vivaz e sincera.