Preces do Opus Dei

Todos os dias, os fiéis da Prelazia elevam o seu coração ao Senhor mediante essa oração na qual louvam, agradecem e pedem a Deus Pai, por Jesus Cristo no Espírito Santo, por suas necessidades pessoais e dos outros.

Livros e textos
Opus Dei - Preces do Opus Dei

As preces do Opus Dei (Formato .pdf)

As preces do Opus Dei (Formato .epub)

As preces do Opus Dei (Formato .pdb)

Em 10 de dezembro de 1930, São Josemaria escrevia nos seus Apontamentos íntimos: Nestes dias, estamos tirando cópias das "Preces ab Operis Dei sociis recitandae". Aprovou-as o meu confessor. Vê-se que o Senhor, porque assim deve ser o âmago da sua Obra, quis que comece pela oração [1].

Estas palavras do Fundador do Opus Dei são um reflexo dos seus constantes ensinamentos: a oração é o alicerce do edifício espiritual[2], de todo o trabalho sobrenatural e de toda a ação apostólica; é o meio indispensável para avançar na luta pela santidade [3]. As Preces (plural do latim prex : oração, súplica) constituem, no Opus Dei, uma maneira de concretizar esta necessidade — comum a toda a alma cristã [4]. Todos os dias, os fiéis da Prelazia elevam o coração ao Senhor, mediante esta oração em que louvam, agradecem e pedem a Deus Pai, por Jesus Cristo no Espírito Santo, pelas necessidades pessoais e dos outros. Deste modo, nesta pequena partezinha da grande família de Deus, que é a Igreja, repete-se de novo aquela cena da Igreja primitiva que São Lucas recolhe: perseveravam unanimemente em oração, e eram um só coração e uma só alma [5].

São Josemaria foi compondo esta oração com textos da Sagrada Escritura e da Liturgia da Igreja ao longo das primeiras décadas da existência do Opus Dei. Através da recitação diária destas preces, os fiéis da Prelazia agradecem a Deus o dom da sua vocação cristã e manifestam a plena disponibilidade para fazer a Sua Vontade. As Preces começam com um serviam! que sintetiza o propósito de servir o Senhor e promover a extensão do Seu Reino a todo o mundo, sem discriminação alguma. Por isso, depois de se dirigirem à Santíssima Trindade com palavras de adoração e agradecimento, os fiéis da Obra dirigem-se ad Iesum Christum Regem , a Jesus Cristo Rei, que os envia a abrir, a todos os homens, os caminhos divinos da terra.

Colocando-se sob a proteção de Deus misericordioso com invocações do Salmo 27 [26] — o Senhor é a minha luz e salvação, quem temerei? — recorrem também à intercessão da Santíssima Virgem, medianeira de todas as graças, a São José, padroeiro da Igreja universal, aos Anjos da Guarda, em cuja festa nasceu o Opus Dei e a São Josemaria, com afeto e confiança filial. Esta última invocação foi acrescentada em 17 de maio de 1992 por ocasião da beatificação do Servo de Deus Mons. Josemaria Escrivá de Balaguer e retocada em 6 de outubro de 2002, dia em que o Fundador foi canonizado por São João Paulo II.

Nas Preces surgem depois uma série de petições. Em primeiro lugar — como é natural — pelo Santo Padre, para que o Senhor o conserve, o vivifique e o faça feliz na terra e pelos Bispos das diversas dioceses. Reza-se também pela unidade do apostolado — seguindo o exemplo de Jesus Cristo na Última Ceia: que todos sejam um, como Tu, Pai, estás em Mim e Eu em ti — e por todos aqueles que, por amor do nome do Senhor, cooperam com as atividades apostólicas da Prelazia.

Em continuidade com a súplica pelos pastores da Igreja, pede-se agora pelo Prelado do Opus Dei, familiarmente chamado “Padre”, que Deus pôs na terra como cabeça desta parte do Povo de Deus. E, como é lógico, nesta oração de família, não pode faltar a petição pelos demais fiéis da Prelazia, quer por aqueles que ainda estão no mundo, quer pelos defuntos.

Nas orações finais, os fiéis invocam novamente Deus com a certeza de serem escutados e, confiando na Sua misericórdia, pedem-Lhe que inflame os seus corações e as suas entranhas — todo o seu ser — com o fogo do Espírito Santo. Invocam-no para que leve a bom termo, com a Sua inspiração e ajuda, todas as suas ações: a oração, o trabalho e as mais diversas ocupações. E, a acabar, pedem o gaudium cum pace , que são frutos da luta interior, um tempo de verdadeira penitência, a graça e o consolo do Espírito Santo e a perseverança no Opus Dei.

Por último, recorrem à intercessão dos Padroeiros dos apostolados da Obra — os Arcanjos São Miguel, São Gabriel e São Rafael e os apóstolos São Pedro, São Paulo e São João — e, se estiver presente um sacerdote, dá a bênção para que o Senhor esteja nos vossos corações e nos vossos lábios. Termina-se, finalmente, com uma saudação que recorda aquela que os primeiros cristãos trocavam entre si, de sabor tão humano e sobrenatural: pax, in æternum.

J. Yániz

-----------

[1] Apontamentos íntimos , n. 128, em A. Vázquez de Prada, O Fundador do Opus Dei , vol. I, Verbo, Lisboa 2002, p. 336.

[2] Caminho , n. 83.

[3] cf. 1 Ts 4, 3.

[4] cf. Catecismo da Igreja Católica , nn. 2744-2745.

[5] At 1, 14 e 4, 32.

------------

PRECES

Sérviam!

V /. Ad Trinitatem Beatíssimam.

R /. Grátias tibi, Deus, grátias tibi: vera et una Trínitas, una et summa Déitas, sancta et una Unitas.

V /. Ad Iesum Christum Regem.

R /. Dóminus Iudex noster; Dóminus Légifer noster; Dóminus Rex noster. Ipse salvabit nos.

V /. Christe, Fili Dei vivi, miserere nobis.

R /. Christe, Fili Dei vivi, miserere nobis.

V /. Exsurge, Christe, ádiuva nos.

R /. Et líbera nos propter nomen tuum.

V /. Dóminus illuminátio mea et salus mea: quem timebo?

R /. Si consistant adversum me castra, non timebit cor meum; si exsurgat adversum me proélium, in hoc ego sperabo.

V /. Ad Beatam Vírginem Mariam Mediatricem.

R /. Recordare, Virgo Mater Dei, dum stéteris in conspectu Dómini, ut loquaris pro nobis bona.

V /. Ad Sanctum Ioseph Sponsum Beatae Mariae Vírginis.

R /. Fecit te Deus quasi Patrem Regis, et dóminum universae domus eius: ora pro nobis.

V /. Ad Angelos Custodes.

R /. Sancti Angeli Custodes nostri, deféndite nos in proélio ut non pereamus in tremendo iudício.

V /. Ad Sanctum Iosephmariam Conditorem nostrum.

R /. Intercede pro fíliis tuis ut, fideles spirítui Operis Dei, laborem sanctificemus et ánimas Christo lucrifácere quaeramus.

V /. Oremus pro Beatíssimo Papa nostro N.

R /. Dóminus conservet eum, et vivíficet eum, et beatum fáciat eum in terra, et non tradat eum in ánimam inimicorum eius.

V /. Oremus et pro Antístite huius dioecesis.

R /. Stet et pascat in fortitúdine tua, Dómine, in sublimitate nóminis tui.

V /. Oremus pro unitate apostolatus.

R /. Ut omnes unum sint, sicut tu Pater in me et ego in te: ut sint unum, sicut et nos unum sumus.

V /. Omne regnum divisum contra se, desolábitur.

R /. Et omnis cívitas vel domus divisa contra se non stabit.

V /. Oremus pro benefactóribus nostris.

R /. Retribúere dignare, Dómine, ómnibus nobis bona faciéntibus propter nomen tuum, vitam aeternam. Amen.

V /. Oremus pro Patre.

R /. Misericórdia Dómini ab aeterno et usque in aeternum super eum: custodit enim Dóminus omnes diligentes se.

V /. Oremus et pro frátribus nostris Operis Dei, vivis atque defunctis.

R /. Salvos fac servos tuos, Deus meus, sperantes in te.

V /. Mitte eis, Dómine, auxílium de sancto.

R /. Et de Sion tuere eos.

V /. Réquiem aeternam dona eis, Dómine.

R /. Et lux perpétua lúceat eis.

V /. Requiescant in pace.

R /. Amen.

V /. Dómine, exaudi orationem meam.

R /. Et clamor meus ad te véniat.

Sacerdos, si Preces moderatur, exsurgit et addit Dóminus vobiscum, stans etiam dum recitat orationem.

V /. Dóminus vobiscum.

R /. Et cum spíritu tuo.

Oremus.

Deus, cui próprium est misereri semper et párcere: súscipe deprecationem nostram. Ure igne Sancti Spíritus renes nostros et cor nostrum, Dómine: ut tibi casto córpore serviamus, et mundo corde placeamus.

Actiones nostras, quaésumus Dómine, aspirando praéveni et adiuvando proséquere: ut cuncta nostra orátio et operátio a te semper incípiat, et per te coepta finiatur. Per Christum Dóminum nostrum.

R/. Amen.

Omnes dicunt:

Gáudium cum pace, emendationem vitae, spátium verae poeniténtiae, grátiam et consolationem Sancti Spíritus atque in Opere Dei perseverántiam, tríbuat nobis Omnípotens et Miséricors Dóminus.

V /. Sancte Míchaël.

R /. Ora pro nobis.

V /. Sancte Gábriel.

R /. Ora pro nobis.

V /. Sancte Ráphaël.

R /. Ora pro nobis.

V /. Sancte Petre.

R /. Ora pro nobis.

V /. Sancte Paule.

R /. Ora pro nobis.

V /. Sancte Ioannes.

R /. Ora pro nobis.

Cum adsit aliquis Sacerdos, dignior ait:

Iube, Domne, benedícere.

Sacerdos benedicit:

Dóminus sit in córdibus vestris, et in lábiis vestris, in nómine Patris + et Fílii et Spíritus Sancti.

R /. Amen.

V /. Pax.

R /. In aeternum.