“Estamos trabalhando na edição de textos inéditos de São Josemaria”.

Diálogo com Luis Cano e Francesc Castells, coautores da edição crítico-histórica de «En diálogo con el Señor», um livro com textos inéditos da pregação do fundador do Opus Dei.

Notícias
Opus Dei - “Estamos trabalhando na edição de textos inéditos de São Josemaria”.

Desde o último 1º de setembro, nas livrarias espanholas, já está à venda “En diálogo con el Señor”(Em diálogo com o Senhor), um livro com textos inéditos da pregação do fundador do Opus Dei. É fruto do trabalho de pesquisa do Instituto Histórico San Josemaría Escrivá. O volume inaugura uma série de análises sobre a pregação oral do fundador do Opus Dei, dentro da coleção de obras completas que esta instituição começou em 2001. Luis Cano y Francesc Castells são coautores da edição crítico-histórica de “En diálogo con el Señor”. Conversamos com eles sobre algumas características do novo livro.

- Qual é o conteúdo e a novidade do “Em diálogo com o Senhor”?

- Luis Cano (L.C)— O livro apresenta 25 textos, até agora inéditos, de São Josemaria Escrivá. São meditações e palestras de conteúdo espiritual, que dirigiu entre os anos 1954 e 1975 a pessoas do Opus Dei que viviam em Roma. Estamos diante da sua oração em voz alta. O fundador fala com Deus dos temas centrais da espiritualidade cristã e dá conselhos para percorrer o caminho da santidade na vida cotidiana. Também conta detalhes de sua vida e da história do Opus Dei, que têm um grande valor biográfico.

— Por que a decisão de publicar agora este material inédito?

– Francesc Castells (F.C.): Desde 2001, o Instituto Histórico trabalha na publicação das «Obras completas» de são Josemaria Escrivá. Até agora, o estudo tinha se centrado nos livros publicados. Editaram-se cinco volumes crítico-históricos e outros já estão na gráfica ou numa fase muito avançada. Além dessa linha de pesquisa, que está a ponto de terminar, apresenta-se agora o fruto de um longo trabalho sobre um material inédito do qual En diálogo con el Señor é o primeiro volume. Dedica-se à pregação oral de são Josemaria, uma das cinco linhas de trabalho da “Coleção de obras completas” que está em andamento.

- Então, existem outros textos inéditos em processo de publicação?

- L.C.: Estamos trabalhando na edição de diversos textos inéditos como as Instruções e Cartas, textos que são Josemaria escreveu para formar os homens e mulheres do Opus Dei no conhecimento do espírito e da história dessa instituição. Em relação à pregação oral, existe um fundo muito amplo de transcrições de meditações, homilias e tertúlias no Arquivo Geral da Prelazia, cujo estudo e classificação estão em andamento há muitos anos e requer tempo. O mesmo se pode dizer de outros materiais manuscritos do epistolário do fundador, algo muito abrangente, do que já foram publicados alguns extratos na revista do Instituto, Studia et Documenta.

— Fala-se de “textos da pregação oral”, também no caso de “Em diálogo com o Senhor”. Como entender esse conceito?

F.C.: Nesse caso, os textos da pregação oral são um material de procedência variada: meditações, uma homilia e várias tertúlias ou conversas de caráter mais familiar. Em geral, por textos de pregação oral entendemos uma adaptação para a comunicação escrita – e, portanto, a fixação de um texto – de um conteúdo que foi pronunciado em voz alta, numa exposição oral, com a linguagem habitual desses anos. No caso deste livro, são Josemaria revisou as transcrições e realizou as modificações que sempre são necessárias ao passar-se de um discurso oral a um texto escrito.

— Estão sendo publicados 25 textos de datas e circunstâncias diferentes. Qual o critério utilizado para essa seleção?

— L.C.: Quase todos já tinham sido reunidos em um volume: primeiramente para ser apresentados à causa de canonização do fundador em 1986, e depois, numa impressão para uso das pessoas do Opus Dei, realizada em 1995 com título de “Em diálogo com o Senhor, que preferimos manter. Têm como características um determinado comprimento e unidade, e foram revisados e corrigidos por são Josemaria entre 1967 e 1975.

—Com que fontes documentais se conta para a edição crítico-histórica?

F.C.: Antes de tudo, dispomos das páginas impressas de duas publicações dirigidas a fiéis da Prelazia: Crónica e Noticias, onde se reproduziram esses textos. Nosso primeiro trabalho foi comparar essas fontes. Além disso, consultamos as transcrições e gravações originais que se conservam e outros documentos de arquivo, não tanto como fontes em si, mas como material complementar para resolver dúvidas ou completar dados e entender melhor o contexto de algumas passagens das que informamos ao leitor em notas de comentário.