A Igreja crê desde o começo que Jesus é Deus?

A deformação histórica de “O Código Da Vinci” apóia-se principalmente num momento do tempo: o Concílio de Nicéia do ano 325.

Perguntas sobre Jesus Cristo
Opus Dei - A Igreja crê desde o começo que Jesus é Deus?

Segundo as teses do autor do livro, antes dessa data o Cristianismo era um movimento muito aberto, que aceitava o “divino feminino", não via Jesus como Deus e que escrevia muitos Evangelhos. De acordo com a novela, nesse ano, subitamente o imperador Constantino — um adorador do culto (masculino) ao Sol Invencível — apoderou-se do Cristianismo, desterrou a “deusa" e converteu o profeta Jesus em um herói‑deus solar.

Na realidade, o Concílio de Nicéia reafirmou a crença, já dominante na Igreja, de que Cristo era Deus. 250 bispos o afirmaram. Apenas dois o negaram.

Entretanto, há muitos documentos que demonstram que a fé em que Cristo é Deus é anterior a Nicéia. Os textos do Novo Testamento – escritos quase 250 anos antes desse Concílio – fazem quase 40 menções a Jesus como sendo Filho de Deus.

- [João 20, 28]: Ho Kurios mou ho Theos mou (“Meu Senhor e meu Deus")

- [Carta de São Paulo aos Romanos 9, 5] 57 d.C.: “Dos quais [dos judeus] são patriarcas, e como homem surgiu deles o Cristo, que é Deus, e está acima de todas as coisas".

- [Carta de São Paulo a Tito, 2, 13]: “Aguardamos a esperança bem-aventurada e a vinda gloriosa do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo".

- [ 2.ª Carta de São Pedro, 1, 1]: “Simão Pedro, servo e Apóstolo de Jesus Cristo, àqueles a quem coube a sorte de uma fé tão preciosa como a nossa, pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo".

E outros escritores:

- [Cartas aos efésios de Santo Inácio de Antioquia, 35-107 d.C]: “Pois o nosso Deus, Jesus Cristo, foi, segundo o desígnio de Deus, concebido no ventre de Maria, da estirpe de Davi, mas pelo Espírito Santo".

- [São Justino Mártir, c. 100 - c. 165 d.C]: “Se tivesses entendido aquilo que escreveram os profetas, não terias negado que Ele [Jesus] é Deus, Filho do Único, não gerado, insuperável Deus".

- [São Irineu de Lyon, c. 130 – 200 d.C]: “Ele [Jesus Cristo] é o santo Senhor, o Maravilhoso, o Conselheiro, o Formoso em aparência, e o Poderoso Deus, que virá sobre as nuvens como juiz de todos os homens".

- [São Clemente de Alexandria, 190 d.C]: “Só Ele [Jesus] é tanto Deus como Homem, e fonte de todas as nossas coisas boas".